Imagens de Bom Dia pra Animar aquele Grupo do Whats App!

Imagem de Bom dia com modelo gato

Eu acompanho uma página que compartilha mensagens passivo agressivas de bom dia pra mandar no Whats App que eu acho sensacionais! No Facebook é o Bom Dia Grupo e no Instagram está como Bom Dia do Mal
As artes são feitas pela Leila Germano e são imagens típicas de grupo de WhatsApp (imagens e fontes bregas) mas no lugar das frases motivacionais estão frases negativas pra compartilhar no grupo da família. Muita gente não lê as mensagens e nem se dá conta de que se trata de uma mensagem triste/ mal educada. Estas aí abaixo são as minhas preferidas:

Bom dia Passivo Agressivo Bom dia otário!

Inspirada por esta página eu decidi criar algumas imagens pras pessoas compartilharem no Whats também. Eu decidi adotar as frases positivas (no nível daquelas que sua tia manda pra você) porém ilustradas por modelos gatos (e de preferência com pouca roupa). 

Talvez a frase passe despercebida com tanta beleza, mas fique a vontade pra mandar as imagens pra suas amigas e amigos gays e se tiver coragem, manda no grupo da família também (este último caso seria o mais engraçado!).

Vou colocar algumas aqui, mas sigam no Facebook e no Instagram a página Zap Dia Feliz! Vai ter sempre uma imagem nova por lá!

Bom dia com modelo gato

Feliz Natal modelo gato

Frase Motivacional

Dia Abençoado!


Precisamos parar de demonizar os homens!


"Nenhum homem presta", "homem é tudo igual", "homem é assim mesmo", "homem nenhum respeita mulher", "todo homem trai"... Acho difícil que você nunca tenha ouvido frases como estas. Se você é mulher certamente cresceu ouvindo estes "alertas" que em teoria tem como objetivo te deixar "esperta" ao entrar em um relacionamento heterossexual.

No entanto, ao meu ver, essa demonização do homem é algo bastante nocivo. Ela nos torna mulheres inseguras, pois ao nos relacionarmos com um homem vemos o perigo iminente de sermos passadas para trás. A traição e o desrespeito passa a parecer algo inevitável que irá acontecer mais cedo ou mais tarde, visto que esse é o modus operandi do sexo oposto.


Aliado a isso temos muitas mulheres que aceitam ficar em relacionamentos abusivos por acharem que o abuso físico e psicológico é algo normal. Por acharem que é assim que todos os homens agem.

Mas em vez de sair por aí reproduzindo que todos os homens são seres odiosos, que tal alertar meninas e jovens de que um homem tem que tratá-la com respeito? De que um homem tem que valorizá-la, não inferiorizá-la e nunca fazê-la sentir medo?

Deixando claro que, de fato, não é uma tarefa fácil visto o grande número de seres humanos idiotas no mundo. Lembrando sempre que não se trata de idealizar um ser perfeito, pois isso não existe, mas que trata-se de encontrar alguém que te faça bem e que isso é sim possível!


A maioria das mulheres que replicam este discurso são mulheres que tiveram muitas decepções ou ainda que SÓ tiveram decepções. E isso de fato é triste, mas não é justo condenar outras meninas a comprá-lo. Eu vejo jovens que se identificam como heterossexuais e que nunca namoraram acreditando nestas frases. Como serão os relacionamentos delas?

Não podemos é claro endeusar os homens e nos deixarmos levar pela ilusão de que vai aparecer um salvador que levará embora nossa solidão e problemas. Mas demonizá-los também não é o caminho.


Precisamos ter auto estima para ficarmos bem sozinhas, capacidade de identificar quando um cara não vai nos fazer bem e também sabedoria pra perceber quem vale a nossa confiança. Acredito que dessa forma os relacionamentos tendem a ser mais saudáveis.

Resenha do Livro: A Sutil Arte de Ligar o Foda-se!

Imagem em cor de laranja com o Título o Livro

Eu tinha baixado o livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se há alguns meses mas estava postergando a leitura. Primeiro porque eu comecei a ler Homo Deus e não terminei ainda, segundo porque eu tenho lido pouco.

Trecho do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se
 Trecho do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se

Mas, como já citado no post anterior estou passando por uma fase um tanto complicada e achei que começar a ler esse livro poderia me ajudar.

Já começo dizendo que este é o tipo de livro que é legal ter! Ele virou meu livro de cabeceira visto que vou voltar nele várias vezes pra rever as ideias que ele propõe.

Foto de um Kindle com trecho do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se
 Foto de um Kindle com trecho do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se

No início ele gera muitos insights legais mas conforme você avança na leitura ele fica mais profundo e bastante incômodo. A leitura não fica chata não! Mas ele faz provocações que fazem a gente questionar e refletir sobre a forma como lidamos com a vida em vários aspectos como por exemplo as expectativas que alimentamos quando buscamos coisas que não são importantes - como bens materiais - e isso pode ser um pouco desconfortável.

Foto de um Kindle com trecho do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se
 Foto de um Kindle com trecho do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se



Essa leitura me inspirou muitas reflexões que to tentando botar em prática no dia a dia. 

Estes trechos que apresentei ao longo do post são da primeira metade do livro. Compartilhei estes e alguns outros no Stories do meu instagram e salvei nos destaques como Leitura!

Tweet sobre o livro A sutil arte de ligar o foda-se
Clique na imagem para aumentá-la

Eu tava muito imersa nas ideias propostas, mas eu sou muito cética com tudo então resolvi perguntar pra um psicólogo o que ele achava do livro.


O Altay é pós-doutor em Psicologia, ele apresenta o podcast de divulgação cientifica Naruhodo. Sua resposta foi que o livro não se trata de psicologia, no entanto é um bom livro.

E dia desses, estava acompanhando uma thread no Twitter quando perguntaram pro André Souza se ele tinha um livro pra indicar e qual foi minha surpresa quando ele indicou esse!

Tweet sobre o livro A sutil arte de ligar o foda-se
Clique na imagem para aumentá-la




O André Souza é PhD em Psicologia Cognitiva e faz parte do time de Ciência do Nerdcast. Estas duas pessoas que citei são cientistas que eu admiro e respeito bastante. Como o Altay falou o livro não se trata de Psicologia, mas é bom! Por isso, resolvi lê-lo e adotá-lo como uma filosofia moderna. Uma filosofia que quero adotar pra minha vida.

Espero que tenha gostado desta resenha. Se tiver lido o livro, me conta o que achou! Até mais!

Journey - App de Diário com Senha

Journey

Eu já falei em vídeo que eu sofro de Transtorno de Ansiedade Generalizada (se você não assistiu, clique aqui) e apesar de tomar remédio e fazer terapia, as vezes a gente passa por fases complicadas e precisa de mais recursos pra lidar com isso. Uma das coisas que eu faço - até por recomendação da psicóloga - é escrever sobre o que eu to sentindo.

Já fiz isso no papel, mas de uns tempos pra cá tenho dado preferencia para escrever essas coisas no celular e o motivo é simples: ele tá sempre à mão, eu posso escrever em qualquer ocasião que ninguém vai notar que estou escrevendo sobre meus sentimentos (evitando perguntas e qualquer desconforto) e a possibilidade de proteger os textos com uma senha.

Um dia tava precisando muito escrever e baixei o primeiro app de diário que vi pela frente. Eu não sei se ele é o melhor, e como uso a versão grátis dele, certamente não estou tendo acesso a todos os recursos, mas para o que eu preciso, está de bom tamanho. Tô falando do Journey!

JourneyJourneyJourney

Se você configura o app pra abrir somente com senha, assim que você clicar no ícone vai ver essa tela azul pedindo sua senha de 4 dígitos. Depois, vai aparecer uma prévia das entradas que você já fez, da mais recente para a mais antiga. (Embacei o texto pra manter a privacidade sobre o conteúdo).

Pra fazer uma nova entrada basta clicar no + que fica no canto inferior direito da tela.

JourneyJourneyJourney

Você pode escrever um texto, adicionar uma foto, um local... ele tem um recurso de visualizar no mapa os lugares que você visitou e dá pra usá-lo como diário de viagem por exemplo. Você pode também conferir no calendário quais dias tiveram entradas e quais não tiveram.

Como eu uso mais pra fazer desabafos eu nunca uso estes outros recursos, mas vi um vídeo onde mostra as várias funções do app e achei bem legal, da só uma olhada:


Esse post não é publi (mas poderia ser). Como eu disse, eu não tenho a versão paga e por isso não tenho acesso a todos os recursos. Se eu entendi bem, um dos recursos do plano pago é a sincronicidade com a versão web dele. Confesso que eu até gostaria de ter acesso a isto pois as vezes estou na frente do computador e gostaria de escrever pelo pc em vez de pegar o celular. 

Você usa algum app com essa finalidade? Conta pra mim! 

Até mais!

Resenha da Série: Atypical!

Atypical Netflix

Meu marido era programador e precisava fazer alterações no sistema no qual ele tava trabalhando. Ele sempre fazia isso de madrugada pra não atrapalhar a vida dos usuários. Essas alterações no sistema geralmente consistiam em algumas linhas de código e longas esperas (as vezes de horas). Daí eu que não sou de dormir cedo, decidi acompanhar ele madrugada a dentro.

Liguei a tv na Netflix e fui ver o que ela tava me recomendando, e dentre as recomendações tinha a série Atypical, então comecei a ver.

Sam Atypical

Enquanto eu via o primeiro episódio o Rafa codava, mas quando eu tava no segundo ele chegou na fase da espera e decidiu assistir comigo. Cada episódio tinha uns 30 minutos e fomos vendo um por um. Quando chegamos ao último o Rafa pediu pra eu exibir o primeiro novamente pra ele poder ver. E foi assim que assistimos toda a primeira temporada de Atypical numa madrugada só! 

A série é tão leve e gostosa de ver que assistimos cerca de 5 horas seguidas dela sem nem sentir.

Recentemente saiu a segunda temporada e dessa vez assistimos um pouco mais devagar... em 4 dias.

Sam e familia - Atypical

Atypical conta a história do Sam, um garoto de 18 anos com Síndrome de Asperger (síndrome que faz parte do espectro do autismo). A primeira temporada mostra todo o cotidiano do rapaz que trabalha, estuda e que tenta arrumar uma namorada. A relação dele com a família, amigos e sua terapeuta também é bastante explorada e muito interessante.

Já na segunda temporada, ele precisa lidar com o dilema de se formar no ensino médio e com as implicações disso, além dos problemas que estão acontecendo em sua casa.

Sam e irmã - Atypical

É claro que a história do Sam não reflete a realidade de todos os indivíduos do espectro autista, mas é importante lembrar que cada pessoa com autismo tem suas particularidades e a série mostra como este garoto em especifico lida com os desafios do dia a dia.

O ator Kier Gilchrist, que interpreta o Sam, tá se saindo muito bem no papel e pra deixar a série ainda mais incrível, a segunda temporada conta com a participação de alguns atores autistas!

Assista a série! Se você não viu ainda não tem ideia do que tá perdendo! Vida longa a Atypical! Espero que muitas pessoas estejam assistindo, gostando e sendo de alguma forma ajudadas por ela.

Sam e Amigo - Atypical

Até o próximo post! Tchau!