Resenha - Tá todo mundo mal. O livro das Crises

Tá todo mundo mal

Quando fiquei sabendo que a Jout Jout estava lançando um livro, apesar de ficar muito animada e louca pra ler, fiquei com o pé atrás.
Essa onda de vários youtubers "escrevendo" livros, me traz alguns pensamentos um tanto críticos a respeito pelo seguinte: apesar de eles terem muito o que falar em seus vídeos, alguns definitivamente não tem o que expressar num livro mas sua fama atrai muito as editoras. Enquanto isso, pessoas não famosas lutam para terem suas histórias ao menos lidas pelas editoras que diversas vezes respondem apenas com um: Não estamos selecionando livros no momento.

Sem falar que alguns youtubers fazem apenas pequenos rascunhos e as editoras pagam Ghost Writers para dar andamento na história (!).


Livro da Jout Jout

Portanto prometi a mim mesma que só compraria e só leria o livro da Jout Jout se ela mesma o tivesse escrito. Assistindo um de seus vídeos vi que um membro da família Jout Jout perguntou o que eu tanto queria saber e ela respondeu que sim, ela mesma havia escrito o livro! Pronto, já tinha o aval para comprá-lo!

2 dias. Foi o tempo que levei para ler o livro completo. E lendo as crises de Júlia, percebi que ela não aceitaria lançar um livro se não fosse ela mesma que tivesse escrito cada linha.

É impossível não se identificar com as crises que ela descreve - sobretudo se você é mulher. 

Crise da Ilusão Materna Pré-Festa

Desde as crises da infância até as da vida adulta vamos nos lembrando de situações parecidas pelas quais já passamos ou daquela história tragicômica que nossa melhor amiga viveu.

Talvez os rapazes não se animem tanto ao ler o livro pois talvez não se identifiquem com os dramas e paranoias de Jout, mas sem duvidas toda garota que ler vai se sentir representada. 

Enfim, é uma leitura leve, cheia de reflexões - algumas bem profundas - que vale muito a pena ler! 

Ver os vídeos da Julia e agora, ler o livro dela, me da cada dia mais vontade de conhecê-la e de ser amiga dessa pessoa tão espontânea que consegue resignificar o cotidiano.

Jout Jout

Nenhum comentário

Postar um comentário