Meu Conceito de Imortalidade.


Não acredito em vida após a morte. Não acredito em céu ou inferno, nem em reencarnação ou ressurreição.

Pra mim é tudo muito mais simples: ao morrermos deixamos de existir. Da mesma forma que não existíamos antes de nascer.

No entanto, neste ínterim entre nascimento e morte, conhecemos pessoas pelas quais esperamos ser lembrados. Para mim, você se torna imortal se durante sua permanência no mundo você produz algo tão relevante que mesmo após sua morte a memória de sua existência se perpetua geração após geração. Sendo assim nossa imortalidade não dependeria de obra divina senão de nós mesmos.


Por não ter esperanças de nascer de novo, ou de ir para um lugar melhor ou pior do que este, não faço nada esperando recompensas num mundo sobrenatural.

E antes que você suponha que por isso eu sou uma pessoa inconsequente, que faz coisas ruins por não ter medo de ser castigada, saiba que eu me deixo guiar pela empatia: não faço com os outros o que não gostaria que fizessem comigo. O que é certo é certo e é nossa obrigação fazê-lo sem esperar nada em troca!

Desde bem pequena tenho um certo fascínio pela fama. Queria me tornar conhecida de alguma forma! Ao crescer tentei por algumas vezes fugir e negar este desejo até que recentemente decidi que isto não era nenhuma vergonha que eu precisasse manter em segredo. Eu ainda quero ser conhecida.


No entanto, após assumir isto pra mim mesma, com o auxílio de minhas sessões de terapia concluí que meus anseios pela fama estavam intrinsecamente ligados ao meu medo de ser medíocre. Meu medo de morrer completamente desconhecida sem deixar algo de valor pro mundo. De morrer e ser esquecida. Logo, meu medo de não ser imortal.

É importante não confundir a posteridade com o póstumo! Eu quero que meu nome seja conhecido mesmo após minha morte mas quero poder usufruir desta fama ainda em vida. Me assusta pensar que algo que eu faça pode vir a ser reconhecido apenas após minha morte pois - de acordo com o que creio - eu não estarei vendo isso de lugar algum.


Diferentemente de algumas crenças que eu possuía quando criança e deixei de ter com o passar do tempo, a vida após a morte nunca foi algo no qual eu acreditei.

Será então que desde criança meu desejo de ser famosa já estava inconscientemente ligado ao meu conceito de imortalidade? Ou será que eu ressignifiquei este sonho para que ele pareça menos fútil e mais nobre?

Acho que a abordagem que minha psicóloga utiliza - a fenomenologia - diria que se eu penso que é isto que significa, então é isso. Caso eu venha a deixar de acreditar nisso então o significado deixará de ser este.


Caso você tenha gostado do texto e queria saber mais sobre minhas reflexões sobre a vida, religiosidade e afins, me conta pra que eu possa trazer mais textos como estes.

Nenhum comentário

Postar um comentário