The Mask You Live In - Uma reflexão


Desde que assisti o documentário "The Mask You Live In" (disponível na netflix) venho ensaiando escrever um texto reflexivo aqui.

Este documentário (que chegou ao meu conhecimento graças ao podcast Rebobinando) mostra como a educação machista praticada pela nossa sociedade prejudica a vida dos meninos e homens ao nosso redor.

Não você não leu errado. Não são apenas as mulheres que tem suas vidas prejudicadas pelo machismo. Homens heteros cisgêneros também sofrem diante do estereótipo de hipermasculinidade que lhes é imposto.

Chorar, falar de seus sentimentos, ser sensível, delicado... todas estas características são vistas como femininas, logo são negativas.
Esta ideia lhes é imposta todos os dias, pela mídia, pelas escolas, pelos familiares, pelos pais e inclusive pelas mães.


O resultado disso são avaliados estatisticamente. Homens tem maiores chances de ter distúrbios comportamentais, de se envolver com drogas e crimes, de cometer suicídio.

Infelizmente nós mulheres também reproduzimos o machismo, afinal fomos criadas sob os mesmos preceitos para que estivéssemos aptas a reconhecer o verdadeiro macho e criarmos nossos filhos como tal.

Há um tempo eu soube de relatos de uma moça que observava seu marido dar mamadeira para o filho deles quando ouviu a mãe do rapaz dizer que "você não deveria estar fazendo isto. Esse é o papel da mãe!".

Esta história aliada a toda a problemática abordada no documentário me fez lembrar do bastante (hoje nem tanto) comentado caso Rodrigo Hilbert.


De um lado mulheres encantadas com suas habilidades pouco usuais para um homem como cozinhar e fazer crochê. Além dos relatos de sua esposa Fernanda Lima que o descrevia como gentil, compreensivo, ótimo marido e ótimo pai.

Do outro lado, mulheres revoltadas com o enaltecimento de atividades que "não são mais do que a obrigação".

Em relação ao primeiro grupo, é importante observar que o Homão da Porra Rodrigo Hilbert é um produto. Não que ele seja uma farsa mas a exposição de seus dotes tem por objetivo promover seu programa de TV, vender livros e etc.

Já quanto ao segundo grupo precisamos lembrar que os homens NÃO SABEM que estas coisas fazem parte de suas obrigações. Pelo contrário, o que lhes é imposto como obrigação é a força, o dinheiro, a virilidade.

Considerando que a mídia e a publicidade exercem grande influência sobre nossa sociedade, por que condenar uma marca que vai na contramão das outras vendendo a ideia de que ser um homem com "qualidades femininas" é algo admirável? Não somos nós mesmos que apoiamos marcas que retratam a diversidade em suas propagandas mesmo sabendo que por trás do lacre seu objetivo é o lucro?

Este é o Junior. Ele tem um canal no youtube onde ensina a fazer crochê. Ele já sofreu preconceito por isso mas afirma que saber que Rodrigo Hilbert também faz crochê ajudou ele a superar as críticas! Clique na imagem para ler a matéria!
Não seria importante difundir esta imagem de homem gentil e dedicado até que ela seja de fato vista como normal e não como atípica?

Deixo aqui o convite para que você assista The Mask You Live In e reflita a respeito dos questionamentos que fiz aqui.

Até o próximo post!

Nenhum comentário

Postar um comentário